Fernave realiza Seminário “Certificação das empresas responsáveis pela manutenção dos vagões”



No âmbito do Ciclo de Seminários Técnicos que a Fernave está a desenvolver, realizou-se no dia 28 de Fevereiro o Seminário sobre “Certificação das empresas responsáveis pela manutenção dos vagões”, organizado pela Fernave e pela APNCF – Associação Portuguesa para a Normalização. O principal objectivo deste Seminário foi promover a partilha de conhecimento e debate de perspectivas por especialistas no âmbito da certificação das entidades responsáveis pela manutenção de vagões de mercadorias, tendo como objectivo a divulgação e implementação do Regulamento CE n.º 653/2007, alterado pelo Regulamento EU n.º 445/2011, da Comissão.

A abertura do Seminário esteve a cargo do Dr. Rui Lucena, Presidente da Fernave, o qual realçou o empenho da Fernave em ultrapassar os desafios que se colocam no ano em que perfaz os 20 anos de existência, e que se afigura particularmente difícil. Apresentou igualmente o Ciclo de Seminários Fernave para 2012, que consiste na realização de Seminários integrados em diferentes temáticas com características e público-alvo distintos, como sejam o Ciclo de Seminários Técnicos, Ciclo de Seminários Quatro Estações e ainda Ciclo de Seminários pela Positiva. O Engº Costa de Freitas, Presidente da APNCF participou igualmente na abertura do seminário, fazendo um breve enquadramento histórico da regulamentação internacional sobre vagões no Séc. XX.

Seguiu-se a intervenção do Eng.º Paulo Taveira, do IMTT, o qual fez a apresentação do Regulamento da União Europeia n.º 445/2011, enquadramento legal e sistemas a que diz respeito, designadamente Sistema de Manutenção e Sistema de Certificação, quais as regras de aplicação e período transitório. O Regulamento estabelece que é necessária a existência de uma Entidade Responsável pela Manutenção – designada por ERM - a qual deve assegurar a boa execução da manutenção dos veículos. Esta entidade pode ser uma empresa ferroviária, um gestor de infraestruturas ou ainda um detentor do veículo, e no caso da manutenção dos vagões de mercadorias, deve, obrigatoriamente, estar certificada.

O tema “Certificação das entidades responsáveis pela manutenção de vagões”, foi apresentado, respectivamente pelo Eng. João Henriques, APNCF e pelo Ing. Modesto Montuenga. O Eng.º João Henriques explicou em que consistem as quatro funções dentro do sistema de manutenção, designadamente, funções de gestão; de gestão da manutenção; da gestão da manutenção da frota e da execução da manutenção; cada uma destas funções tem cerca de 9/10 requisitos. Salientou também que a certificação será agora obrigatória para a manutenção dos vagões de mercadorias, prevendo-se que em 2018 se estenderá a todos os veículos ferroviários. O Ing. Modesto Motuenga, apresentou o estado actual do processo de certificação das ERM’s em Espanha, referindo também que a partir de 2018, é possível que surjam ERM’s transnacionais devido ao facto do regulamento passar a ser aplicado a outro tipo de veículos. Acrescenta-se que está em curso um Protocolo entre Portugal e Espanha sobre o reconhecimento mútuo de vagões.

Na 2ª parte do Seminário foram apresentados os casos da CP Carga e NOVA ADP. O Eng.º Paulo Oliveira, Responsável pelo Material Rebocado da CP Carga, empresa que tem aproximadamente 3 mil vagões em serviço, explicou quais as práticas actuais da empresa relativamente ao Regulamento n.º 445/2011, como decorre o processo da Gestão da Manutenção e respectivas funções, esclarecendo também que a maior parte dos requisitos já são cumpridos. Na CP Carga, os ciclos de manutenção dos vagões são controlados através de um software específico que fornece os dados necessários para a identificação das necessidades de manutenção, que são transmitidas ao gestor operacional do vagão, que por sua vez reencaminha para a oficina.

O caso da NOVA ADP foi apresentado pelo Eng.º Joaquim Cabral Martins, o qual fez o enquadramento da actividade desta empresa que consiste na produção de produtos químicos, como seja o amoníaco, transportados sobretudo para Alverca, Setúbal e Estarreja através de vagões cisterna. A NOVA ADP é detentora, exploradora e entidade responsável por 11 destes vagões. A actividade da manutenção da Nova AP tem sido a de obter e facilitar a informação entre as entidades envolvidas de modo a criar sinergias com a Rinave no que concerte ao cumprimento das inspecções obrigatórias, com a EMEF, no âmbito do cumprimento do Programa de Manutenção de Vagões, e ainda com a CP CARGA, em relação às reparações não programadas.

Por fim, a visão do prestador de serviço de manutenção de vagões de mercadorias, a cargo do Engº Paulo Rodrigues, Director da Qualidade, Ambiente e Segurança da EMEF, o qual explicou que a actividade de manutenção desenvolvida no Entroncamento e no Poceirão, enquadra-se na função de execução da manutenção no âmbito da qual a EMEF tem que cumprir uma série de requisitos dispostos no Regulamento UE nº 445 de 2011, podendo também vir a assumir as funções de gestão de manutenção.

A grande adesão sentida e interesse manifestado pelas empresas por este evento, bem como a avaliação extremamente positiva pelos seus participantes do mesmo, constituíram motivos de grande satisfação para a Fernave e para a APNCF. Na audiência, estiveram representadas diversas entidades, como sejam, CP, CP Carga, Refer, Emef, Alstom, Mota Engil, Fergurpo, Takargo, Somague Neopul e Somafel.