Fernave conclui com êxito dois cursos de Formação Inicial de Maquinistas para o Caminho-de-Ferro de Luanda

 



















Na foto: Formandos do Curso de Maquinistas, do CFL e Adelino Silva, formador da Fernave.

Terminaram no passado mês de Junho os dois Cursos de Formação Inicial de Maquinistas, para o CFL – Caminhos-de-Ferro de Luanda, ministrados pela Fernave e certificados pelo INCFA – Instituto Nacional do Caminho de Ferro de Angola (INCFA), entidade que regula o sector ferroviário angolano.

Estes Cursos decorreram durante cerca de 8 meses, de Outubro de 2011 a Junho de 2012 com a duração de 920 horas cada acção de formação, sendo o exame profissional efectuado pelo INCFA.

Para assegurar estas acções de formação, a Fernave deslocou para Angola a experiente equipa de 5 formadores da área da tracção, que obtiveram certificações locais pelo INCFA como formadores para a rede ferroviária angolana e material circulante (locomotivas) do CFL.

A formação realizou-se no Centro de Formação do CFL, localizado nas instalações da empresa, nos Musseques, e em linha aberta à exploração entre Textang e Baia.

Nestas acções, e pela primeira vez, foram aplicados os novos normativos regulamentares promulgados pelo Ministério dos Transportes da República de Angola em Dezembro de 2010. Estes normativos, visam modernizar e uniformizar a regulamentação nos vários operadores e infra-estruturas ferroviárias em Angola

De realçar o êxito desta formação, o entusiasmo partilhado por todos neste projecto, e o esforço desenvolvido pela Fernave, CFL e INCFA para que todas as condições estivessem reunidas para o desenvolvimento da acção de formação com a qualidade necessária.

Com a conclusão da formação, 19 novos maquinistas terminaram o processo formativo com sucesso, permitindo assim ao CFL ampliar o quadro de profissionais da respectiva área, podendo assim dar resposta às solicitações inerentes ao desenvolvimento do Caminho de Ferro de Luanda. Este projecto formativo de âmbito ferroviário foi o primeiro que em Angola foi desenvolvido de acordo com os novos processos de certificação e de homologação por uma Entidade Independente e Reguladora do Sector Ferroviário Angolano (o INCFA), facto que confere grande reconhecimento, qualidade e capacidade pelo trabalho desenvolvido pela Fernave fora do mercado português.

Face à perspectiva de aumento da operação deste operador ferroviário angolano, através da aquisição de novo material circulante (locomotivas e automotoras), o CFL solicitou à Fernave a preparação, no curto prazo, de uma nova acção de formação no mesmo âmbito.